PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Cabeça erguida e peito aberto: postura pode afetar seu humor na quarentena

Silvia Ruiz

24/04/2020 04h00

iStock

Já reparou que quando a gente se sente triste, com medo ou aflito, a gente adota uma postura meio que se fechando com os braços para dentro sobre a barriga, cabeça baixa, os ombros encolhidos e curvamos o corpo para a frente e levamos as mãos à cabeça? E que, quando estamos felizes, como na foto nesta página, a gente abre o peito, solta a cabeça para trás e muitas vezes abre os braços? É uma reação natural, a gente nem pensa para o corpo adotar essas posturas.

É claro que a gente se fecha quando está triste, é normal. Quem nunca chorou em posição fetal num momento de tristeza extrema? Pois saiba que o inverso também pode ser verdadeiro: a gente pode começar a se sentir triste ao passar um tempo nessa posição. E também se sentir bem e disposto ao levantar a cabeça, abrir o peito e abrir um sorriso.

A teoria por trás dessa ideia é a chamada cognição incorporada, que diz que as características do corpo incluem o sistema motor, o sistema perceptivo, as interações corporais com o ambiente (situacionalidade). Basicamente, que nossa mente e corpo estão conectados. Aliás, não é apenas uma teoria, estudos mostram o link entre má postura e fadiga, ansiedade.

Um experimento mostrou até que os participantes se sentiam mais deprimidos quando andavam curvados e com mais energia e bem-estar ao andar com postura ereta. Nossa reação corporal curvada quando sentimos tristeza e ansiedade é justamente uma tentativa instintiva de proteger os órgãos vitais que ficam no abdome e o nosso cérebro (seja de uma ameaça física ou emocional).

Esta semana tive um papo sobre isso com a nutricionista Mariana Poletto, que falou num post em seu perfil no Instagram (@nutrimaripoletto) exatamente da relação entre passar o dia com má postura e acabar depois buscando conforto na comida. "Pense em você mexendo no celular, deitado no sofá o dia todo, trabalhando em cima da cama com cabeça curvada para baixo, ombros caídos, posição encolhida", diz ela.

iStock

"Desconforto, ansiedade, tristeza e estresse. Essa é a mensagem que seu corpo está mandando para o cérebro o dia todo." E, na tentativa de se reequilibrar, o cérebro "pede" dopamina, um neurotransmissor que é fonte de prazer e motivação. E adivinha quais são as maneiras mais fáceis de liberar dopamina? Comida, álcool, cigarro, compras e redes sociais, entre outros. Então é isso que a gente começa a buscar. Está se reconhecendo? Eu me vi totalmente nisso.

Mas nem tudo está perdido. Se nossa emoções e pensamentos afetam nossa postura e nosso nível de energia, nós também podemos alterar nosso humor para o bem com a postura certa. Um estudo do psicólogo Erik Peper, pesquisador da universidade americana San Francisco State revelou que em apenas dois minutos é possível afetar a química cerebral e alterar significativamente nossos níveis de energia apenas dando uma corridinha sem sair do lugar. Simples assim.

Mari Poletto também dá sua dica: "Engane seu cérebro. Se estique, se abra, descruze os braços, jogue a cabeça para cima e para trás, se abra. Passe a mensagem que está tudo bem." Ela recomenda que se faça isso algumas vezes ao dia, principalmente quando estiver ansioso e estressado. "Isso pode mudar seu humor e apetite ao longo do dia!"

Bom, pelo menos para mim, não vai ter mais home office na rede. É cabeça erguida, espinha ereta e com a postura certa espero ficar com o coração tranquilo.

Sobre Autora

Silvia Ruiz é jornalista e trabalha com comunicação digital e PR. Durante mais de 15 anos atuou na cobertura de saúde, bem-estar e estilo de vida. É apaixonada por alimentação natural, meditação e práticas holísticas. Mãe do Tom, do Gabriel e da Myra, tem bem mais de 40 anos e está tentando aprender a viver bem na própria pele em qualquer idade.

Sobre o blog

O que é envelhecer hoje? Este é um espaço com informações para a geração que tem mais de 40 e não abre mão de viver uma vida plena e, principalmente, saudável, independentemente da idade. Aqui não falamos em “anti-aging”, e, sim, em “healthy aging”. Dicas de alimentação, beleza, atividade física, carreira e estilo de vida para quem busca ser “ageless”.

Blog Ageless