PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Quarentena pode afetar também a sua pele; saiba como cuidar dela

Silvia Ruiz

26/06/2020 04h00

iStock

Há três semanas, comentei no meu perfil no Instagram (me siga lá também @silviaruizmanga) que estava tendo espinhas, algo que eu não vivenciava há pelo menos dois anos, desde que entrei na perimenopausa. Coisa irritante ter espinhas aos 50, né? Não fazia o menor sentido, até porque nem maquiagem eu tenho usado na quarentena. Recebi de volta dezenas de mensagens de mulheres reclamando do mesmo problema e de outros transtornos na pele que surgiram na quarentena, como secura, manchas, irritações, sensação de pele "morta" etc. Aparentemente nossa pele está "pirando" com toda essa situação causada pelo coronavírus.

Conversei com a dermatologista Luciana Garbelini, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, sobre essas alterações. "As reações dependem muito da mudança de rotina de cada um. Tem gente que pode até ter tido uma melhora no estado da pele por estar dedicando mais tempo aos cuidados. Mas, em geral, as mudanças de hábito podem causar alterações na pele mesmo", diz a médica.

Vale lembrar que a pele é nosso maior órgão e ela reage a vários fatores como nossa alimentação, sono, falta de sol, falta de água e, além disso, ao stress. Ou seja, o que a gente está vivendo na quarentena é a tempestade perfeita para a pele reagir mal.

Aqui estão algumas razões pelas quais nossa pele está tão imprevisível segundo a médica e como melhorar:

Estresse 

Uma das causas da dermatite atópica (que causa sintomas como pele seca, coceira e lesões vermelhas) é o estresse. E quem pode dizer que não está estressado com a pandemia? Por isso é comum estar passando por esse quadro com mais frequência. A acne também pode ser uma reação ao stress. Nosso nível de cortisol aumenta, e por consequência, as glândulas sebáceas produzem mais oleosidade, o que pode causar espinhas.

Algumas maneiras de lidar com o stress e reduzir os níveis de cortisol são praticar meditação e fazer atividade física. Incluir o consumo de chás como cidreira, camomila e erva-cidreira também ajudam.

Sono irregular

Muita gente tem dormido pouco por ansiedade e preocupação com a pandemia, a crise econômica etc. Ou simplesmente a falta de rotina tem feito a gente ficar acordado até muito tarde ligado em redes sociais, notícias, maratonas na Netflix.

Claro que há coisas que não tem como evitar. Mas entre as que estão no nosso controle, já falei aqui que vale reduzir o consumo de notícias sobre covid-19 além do necessário. E também praticar um hábito de higiene do sono, que inclui sair das telas pelo menos uma hora antes de dormir (melhor ler um livro nessa hora), abaixar as luzes ao final do dia e até mesmo o uso de óleos essenciais como o de Lavanda para fazer aromaterapia podem ajudar a melhorar a rotina da noite.

Falta de atividade física

A atividade física é um dos grande aliados que a gente tem para reduzir o estresse. Fechados em casa e com excesso de tarefas domésticas e home office, muita gente deixou de lado a atividade física. Mas é preciso pensar que essa situação de quarentena pode ser prolongada, temos que nos adaptar. Procure se mexer, nem que seja por 30 minutos ao dia. Vale tudo, dançar na sala, seguir as muitas lives de professores que estão dando aulas gratuitas no Instagram etc. Ficar parado só piora nosso humor (e a pele vai junto).

Alterações da dieta

Quase todo mundo procura conforto na comida em momentos difíceis. É comum a gente consumir mais doces, alimentos com açúcar, carboidratos que liberam dopamina no cérebro e nos trazem sensação de bem-estar. Acontece que as panelas de brigadeiro, bolos caseiros que estamos preparando etc, tem impacto direto na pele, principalmente no surgimento de acne. Alimentos com alto índice glicêmico causam aumento de insulina, que é a mesma via de produção de sebo", diz Luciana. Isso sem falar no abuso de álcool, um denotador de pele!

Ou seja, mais do que nunca, é hora de tentar seguir uma dieta saudável e balanceada. Um doce no final de semana não vai matar ninguém. Mas, se acabar no macarrão, doces e afins todos os dias vai acabar com sua pele (e sua saúde).  Os derivados de leite também podem piorar o quadro, por isso vale reduzir o consumo.

Máscaras e testes de novos produtos

Na tentativa de criar momentos de bem-estar e autocuidado, ou mesmo de acabar com o tédio, muita gente tem adotado novas rotinas de skin care, testado novos produtos. Claro que pode ser ótimo para a pele, mas também abrimos a possibilidade de alergias, irritações. Se esse for seu caso, tente reduzir os produtos novos para ver se há uma melhora. Ou volte a sua rotina anterior. Outra recomendação é testar os novos produtos em pequenas áreas no braço antes de usar no rosto ou no corpo todo.

As máscaras que estamos usando para proteção também podem causar irritação e espinhas. "A oclusão e os diferentes tipos de tecidos das mascaras podem causar dermatite perioral", diz Luciana, referindo-se à irritação em volta da boca.

Luciana recomenda que manter a pele sempre bem hidratada (dê preferência para hidratantes neutros) para evitar o ressecamento e as irritações. Mas, se mesmo assim persistirem os sintomas, sempre vale procurar ajuda profissional.

Sobre Autora

Silvia Ruiz é jornalista e trabalha com comunicação digital e PR. Durante mais de 15 anos atuou na cobertura de saúde, bem-estar e estilo de vida. É apaixonada por alimentação natural, meditação e práticas holísticas. Mãe do Tom, do Gabriel e da Myra, tem bem mais de 40 anos e está tentando aprender a viver bem na própria pele em qualquer idade.

Sobre o blog

O que é envelhecer hoje? Este é um espaço com informações para a geração que tem mais de 40 e não abre mão de viver uma vida plena e, principalmente, saudável, independentemente da idade. Aqui não falamos em “anti-aging”, e, sim, em “healthy aging”. Dicas de alimentação, beleza, atividade física, carreira e estilo de vida para quem busca ser “ageless”.

Blog Ageless